Zoologia dos Vertebrados: Anfíbios

Atualizado: Jul 14

Os anfíbios são tetrápodes, anamniotas e ectotérmicos. Para serem considerados os primeiros vertebrados a conquistarem o ambiente terrestre, os mesmos precisaram de adaptações, sendo elas: aumento do número de ossos, membros articulados e aumento/maior concentração de músculos para sustentação do corpo, pele funciona como órgão acessório à respiração, glândulas mucosas para evitar a perda de água e excreção de ureia para a mesma finalidade.


Apresentam vida dupla, isto é, parte da vida é no ambiente aquático e parte, no terrestre.

A classe Amphibia apresenta a subclasse Lissamphibia que é dividida nas seguintes ordens:


Ordem Caudata (Urodela)

As salamandras apresentam a cauda bem desenvolvida e dois pares de patas (maioria). Pedomorfose amplamente distribuída com retenção de brânquias externas em adultos, padrões de dentição larval, ausência de pálpebras e retenção da linha lateral. Fecundação interna, machos não apresentam órgão copulatório, depositam espermatóforo no substrato.


Ordem Gymnophiona

As cecílias apresentam corpo cilíndrico, ausência de patas, vivem enterradas em galerias, se alimentam de insetos. Machos apresentam órgão copulatório denominado falodeu (fecundação interna), podem ter estratégia ovípara e vivípara.


Ordem Anura

Os sapos, rãs e pererecas não apresentam cauda na fase adulta e são carnívoros. Em maioria, realizam fecundação externa. São dependentes do ambiente aquático para se reproduzir (fase larval).


QUAL A DIFERENÇA ENTRE OS ANUROS?

Sapos: anuros terrestres, corpo robusto, pele rugosa, saltos curtos e lentos, membrana interdigital pouco desenvolvida;

Rãs: anuros aquáticos, corpo fusiforme, achatado dorsoventralmente, amplas membranas interdigitais, pele lisa e realizam saltos longos;

Pererecas: anuros arborícolas, olhos grandes, pele lisa e coloração variada, cintura pélvica delgada, grande capacidade de salto, dedos com discos adesivos;


TEGUMENTO

Pele lisa, permeável e mucosa. Suas glândulas mucosas garantem proteção contra dessecação, regulação hídrica (evita perda de água por evapotranspiração), proteção contra choques mecânicos e auxilia nos mecanismos respiratórios (respiração tegumentar é acessória).

Apresentam glândulas de veneno ou serosas que representa o sistema de defesa química contra predadores, fungos e bactérias, podendo causar efeitos irritantes ou até mesmo ser letal. As glândulas hedônicas são utilizadas para atração de parceiros ou repelir predadores.

A coloração é definida por cromatóforos presentes na epiderme. Podem utilizar a coloração para camuflagem (ser confundido com o meio), mimetismo (imitar cor ou forma de outro animal nocivo) ou coloração aposemática (cor de advertência associado à presença de toxinas na pele).


SISTEMA CIRCULATÓRIO

Coração com 2 aurículas e 1 ventrículo. Circulação dupla, presença de septo-intra-auricular (separa a entrada de sangue venoso e a saída do sangue arterial). O sangue venoso é diluído no sangue arterial, fazendo com que haja uma menor taxa de aproveitamento da oxigenação das células do corpo.


SISTEMA RESPIRATÓRIO

Ar entra pelas narinas, mas pode entrar por coanas (entrada de ar para os sacos vocais). Apresentam respiração pulmonar (adultos), branquial (girinos), cutânea (pele) e buco-faríngea.


SISTEMA DIGESTÓRIO

São carnívoros, apresentam a língua bastante desenvolvida nas espécies terrestres com muco que auxilia na adesão das presas. Apresentam glândulas intermaxilares produzem muco que auxilia na deglutição. Esôfago curto, estômago globoso, intestino fino e grosso e cloaca.

Os girinos são herbívoros, planctônicos, detritívoros e carnívoros.


SISTEMA EXCRETOR

Um par de rins mesonéfros, excretam ureia.

Anfíbios aquáticos: rins com grandes corpúsculos renais para eliminar o excesso de água, impedindo a diluição excessiva dos líquidos corporais, logo a urina é muito diluída.

Anfíbios terrestres: rins com pequenos corpúsculos renais para retem água para compensar a perda d’água, urina concentrada.


REPRODUÇÃO

Fêmeas apresentam ovários e ovidutos pares. Ovissaco armazena temporariamente óvulos. A maioria é ovípara. Machos apresentam testículos pares e não há presença de órgão copulatório. A fecundação externa é a maioria dos casos. Apenas o macho cantam, isto é, apresentam saco vocal.

A reprodução pode ser explosiva ou prolongada, sendo a primeira comum em períodos de chuva intensa em que machos e fêmeas saem juntos, se reproduzem e deixam sua prole no local com disponibilidade de água. Já o segundo tipo, também conhecida como sazonal, ocorre de 3 a 8 meses em que o macho estabelece territórios e cantam para atrair fêmeas.

A metamorfose de girino para jovem ocorre com bruscas mudanças, sendo algumas delas a cauda reabsorvida e desenvolvimento de patas.


VOCALIZAÇÃO

Comunicação intra-específica.

Canto de anúncio: atração sexual

Canto territorial: informa machos vizinhos a ocupação do território

Canto de disjunção: quando um macho entra em amplexo (ato do macho agarrar a fêmea) com outro macho

Canto de briga: entre dois machos durante combates físicos

Em alguns casos a fêmea também produz som mesmo sem ter saco vocal, isso ocorre quando o ar de pulmões é forçado através das cordas vocais, fazendo-as vibrar.

Referência: Aulas do Professor de Zoologia dos Vertebrados Anamniotas da Universidade de Taubaté: Itamar Martins.

3 visualizações
Siga o Bertobio!
  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Instagram - White Circle

Nos encontre também no Instagram!

@biologiaparaavida
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco