Retículo Endoplasmático Rugoso, Complexo de Golgi e Lisossomos: como se relacionam nas células?

Oi biologuínhos, tudo bem?! No post de hoje falaremos um pouquinho sobre as nossas tão amadas células eucarióticas. Sabemos que, dentre as características das células dos organismos eucariontes, temos a presença de muitas organelas, isto é, compartimentos celulares membranosos que desempenham funções distintas para manutenção do funcionamento e vida do organismo. Dentre essas organelas, temos o retículo endoplasmático rugoso, complexo de Golgi e lisossomos e, hoje, entenderemos um pouco da relação íntima que é estabelecida entre essas organelas.


Antes de compreender tal relação, precisamos relembrar o papel individual de cada uma dessas organelas. Começando pelo Retículo Endoplasmático Rugoso, precisamos lembrar que o mesmo é constituído por um sistema de membranas que apresenta ribossomos acoplados, o que determina completamente sua função. Por apresentar tais ribossomos, esse retículo tem a função de produção de proteínas.


Já o complexo de Golgi, por sua vez, é conhecido por sua função de armazenamento e exportação de substâncias das células. Por fim, os lisossomos realizam a digestão intracelular e, curiosamente, são formados pelo complexo de Golgi.


Já dei um leve spoiler da relação, mas agora vamos de fato compreendê-la.


As proteínas que são sintetizadas pelos ribossomos que se encontram aderidos ao Retículo Endoplasmático Rugoso são transportadas até o complexo de Golgi, que por sua vez, realiza o empacotamento das proteínas em vesículas que podem ser exportadas para fora da célula ou formarem os lisossomos que ficam distribuídos pelo citoplasma celular.


Incrível como esse trabalho em conjunto ocorre, né?!


Referência:

BIOLOGIA 2 – Coleção ANGLO– Ensino Médio.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo