Morfologia de Espermatófitas: Raiz e Caule

Atualizado: Jul 13

RAIZ

A raiz é uma das características que surgem com a ocupação do meio terrestre, tendo em vista que anteriormente, nas Briófitas, não encontrávamos uma raiz verdadeira. Em grande maioria das vezes, a raiz apresenta geotropismo positivo, ou seja, estabelece uma relação neutra ou até mesmo positiva com a gravidade. A mesma não possui gemas.

FUNÇÕES Esse órgão apresenta diversas funções, podendo ser citadas:

  1. Fixação da planta ao solo;

  2. Absorção de água e de sais minerais;

  3. Armazenamento de substâncias;

  4. Produção de hormônio vegetal (tal como, citocinina que é responsável pelas divisões celulares);


ORIGEM A semente de uma planta (antes da germinação) contém um embrião que apresenta:

  1. RADÍCULA= raiz embrionária responsável pela raiz primária;

  2. Eixo hipocótilo que irá originar o caule e a raiz;


PARTES DA RAIZ PRIMÁRIA

  1. Coifa: é a “capa” protetora do ápice meristemático radicular;

  2. Zona de alongamento: local onde ocorre o alongamento das células, permitindo o crescimento longitudinal;

  3. Zona pilífera: onde as células sofrem diferenciação e onde ficam localizados os pelos absorventes;

*Pelos: são projeções das células epidérmicas que aumentam a superfície de contato para a absorção mais eficaz de água e nutrientes; *Parede celular é formada de celulose e pictina (substância viscosa que aumenta a aderência da planta ao solo);

TIPOS DE SISTEMAS RADICULARES

  1. Pivotante/axial: a raiz primária forma a raiz principal e esta emite raízes secundárias (comum em dicotiledôneas);

  2. Fasciculado: a raiz primária não se desenvolve muito, raízes adventícias (se originam do eixo caulinar) são predominantes (comum em monocotiledôneas);


RAÍZES ESPECIAIS Tuberosas: são dilatadas, especializadas em reserva (amido, lipídeos…), podem acumular as reservas na raiz principal, como a cenoura ou a beterraba, ou nas raízes secundárias, como por exemplo, na mandioca e na dália; Aéreas: se desenvolvem expostas ao ar e à luz:

  1. Suporte/Escora: mais conhecida, é o caso das figueiras, gemeleiras…;

Raiz escora


  1. Respiratórias: plantas aquáticas ou sub-aquáticas que possuem reservas de ar nas raízes, têm parênquima, apresentam geotropismo negativo, raiz cresce para cima, comum no mangue;]

Raiz pneumatófora ou respiratória


  1. Grampiformes: a raiz sai do caule e é utilizada para escalar (encontrada em muros) e possui força preênsil;

Raiz grampiforme


  1. Nódulos radiculares: geralmente é uma simbiose entre a raiz e a bactéria Rhizobium que produz NH4 para a planta;

Nódulos radiculares


  1. Contrátil: fazem contrações periódicas, conseguem se enterrar sozinhas (estratégia de sobrevivência);

Raiz contrátil


  1. Micorrizas: simbiose com fungos (se associam à raiz e aumentam a absorção de nutrientes);

Microrrizas


  1. Sugadoras: são parasitas, se fixam em outra planta utilizando uma estrutura chamada apressório que projeta uma ramificação, o haustório, para sugar os nutrientes direto do xilema e do floema;

Raiz sugadora


MODIFICAÇÕES RADICULARES

  1. Gavinhas (estruturas que enrolam em um suporte);

Gavinha


  1. Espinhos



CAULE

O caule é, também, uma característica que evoluiu com a conquista do meio terrestre e fica responsável por conectar duas partes da planta: raiz e folha.

FUNÇÕES Esse órgão pode possuir diversas funções, entre elas:

  1. Sustentação da planta;

  2. Manutenção do eixo ereto (graças à lignina e às fibras de esclerênquima);

  3. Condução da seiva (graças ao xilema e ao floema);

  4. Reserva de água (em alguns casos);

  5. Propagação vegetativa (em alguns casos);

  6. Fotossíntese (em alguns casos);

PARTES DO CAULE

  1. Nó: de onde sai a folha;

  2. Entrenó: situado entre dois “nós”;

  3. Gema apical: realiza o crescimento do ramo (dominância apical);

  4. Fitômero: nó+entrenó;

  5. Catafilos: folhas modificadas para proteção de gemas;

  1. Monopodial: apresenta 1 gema principal de crescimento contínuo;

  2. Simpodial: sucessivas gemas de crescimento, apresenta várias ramificações;


  1. Haste: não lenhoso, delicado e ereto (ex: ervas);

Caule haste


  1. Tronco/Fuste: lenhoso, delgado a robusto (ex: árvores);

Caule tronco


  1. Estipe: não ramificado, cilíndrico (ex: palmeira);

Caule estipe


  1. Colmo: ramificado, pode ser oco ou cheio (ex: bambú e cana-de-açucar);

Caule colmo


  1. Caule volúvel: se enrola a um suporte (ex: trepadeira);

Caule volúvel


  1. Sarmento: caules rastejadores (ex: melancia e abóbora);

Caule sarmento


  1. Estolho: sai a partir da raiz de uma planta, também é rastejador (ex: morango, mandioca);

Caule estolho


  1. Cladódio: realiza fotossíntese, não possui folhas, armazena água (ex: cácto);

Caule cladódio


  1. Roseta: caule com entrenós pequenos (ex: rosa de pedra e alface);

Caule roseta


  1. Liana: flexível (ex: cipó);

Caule liana


Subterrâneos:

  1. Rizoma: crescimento horizontal, produz diretamente folhas/ramos laterais (ex: espada-de-São-Jorge);

Caule rizoma


  1. Tubérculo: gemas protegidas por catafilo, reserva de substâncias (ex: batata);

Caule tubérculo


  1. Cormo: comprimido verticalmente;

Caule cormo


  1. Bulbo: reserva de substâncias (ex: cebola e alho);

Caule bulbo


  1. Rizóforo: geotropismo positivo, é portador de raízes adventícias;

Caule rizóforo


  1. Xilopódio: espesso, lignificado;

Caule xilopódio


Aquáticos: Possuem reserva de ar, realizam respiração e atuam na flutuação.


Referência:

Aulas da Professora Ana Aparecida de Morfologia de Espermatófita (UNITAU).

0 visualização
Siga o Bertobio!
  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Instagram - White Circle

Nos encontre também no Instagram!

@biologiaparaavida
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco