Estude para o mestrado comigo: Fungos

Os fungos são organismos heterotróficos que, antigamente, eram considerados plantas primitivas ou degeneradas (isto é, sem a presença de clorofila), mas atualmente tem-se que a única característica em comum com o reino Plantae é a forma de crescimento multicelular.


Tais seres são os principais decompositores da biosfera, promovendo a liberação de CO2 e retornando compostos nitrogenados para o solo. Alguns podem produzir substâncias muito tóxicas conhecidas, popularmente, como micotoxinas. Além disso, mais de 5000 espécies de fungos são conhecidos por atacar culturas de plantas de alto valor econômico. Como benefícios, podem produzir etanol, dióxido de carbono, atuando na panificação, fermentação, indústria de vinhos e, inclusive, muitos antibióticos são produzidos a partir deles e muitos cogumelos consumidos por humanos também pertencem à esse reino.


Pelo menos 80% das plantas vasculares apresentam em sua raiz associações mutualistas benéficas com fungos, formando as chamadas micorrizas, em que as raízes fornecem carbono orgânico para os fungos que, por sua vez, atuam na obtenção de fósforo e outros nutrientes importantes para as plantas. Essa relação pode se apresentar na forma de endomicorriza, quando o fungo penetra as células corticais mas não chega a atingir o protoplasto, ou como ectomicorrizas, quando o fungo não penetra a célula da planta, mas forma uma camada (conhecida também como manto) e uma rede, chamada de "rede de Hartig", que envolve as células corticais das raízes.


Além disso, muitos fungos estabelecem associações simbióticas com algas e cianobactérias, formando líquens. Nessa relação, a maioria dos fungos (cerca de 98%) pertencem ao filo Ascomycota e, somente 2%, ao Basidiomycota, e os mesmos proporcionam um ambiente adequado para o crescimento das algas ou cianobactérias enquanto que essas, por sua vez, proporcionam carboidratos e compostos nitrogenados para os fungos.


Ainda, existem alguns, chamados de endófitos, que vivem dentro de folhas e caules de plantas aparentemente sadias, produzindo metabólitos secundários tóxicos que protegem a planta contra predação e, até mesmo, contra outros fungos que são patógenos.


Maioria filamentosa, com filamentos denominados hifas (conjunto de hifas = micélio). As hifas da maioria das espécies são divididas por paredes transversais (septos), mas aquelas que não são podem ser chamadas de cenocíticas. Os núcleos celulares dos fungos são haploides, a parede celular é de quitina (mais resistente à degradação microbiana do que a celulose encontrada na parede celular das plantas) e reserva de glicogênio.


Hifas de indivíduos da mesma espécie geralmente se fundem, formando uma rede intrincada de filamentos fúngicos. Para nutrição, esses organismos secretam enzimas sobre a fonte de alimento e, após a degradação do alimento, absorve pequenas moléculas pelo ápice da hifa, podendo ser sapróbios (vive sob matéria orgânica, como indivíduos mortos), parasitas, simbiontes/mutualistas e alguns obtém energia pela fermentação. Hifas especializadas chamadas rizoides fixam alguns tipos de fungos no substrato, enquanto que os parasitas geralmente apresentam haustórios (hifas especializadas) para absorver o alimento diretamente das células de outros organismos.


A divisão celular nos fungos é diferente das plantas pois na maioria das vezes a carioteca não se desintegra, mas estrangula-se próximo ao ponto médio entre os dois núcleos filhos, e, em outros casos, ela se rompe próximo à região mediana. Na maioria dos casos o fuso se forma dentro o núcleo mas em alguns basidiomicetos aparentemente se forma no citoplasma e direciona-se para o núcleo. Exceto por uma minoria, os fungos não apresentam centríolos, e sim corpos centríolares que atuam organizando os microtúbulos durante a mitose e meiose.


A reprodução pode ser assexuada ou sexuada, ambas por meio de esporos, que, por sua vez, podem ser secos/leves (facilmente disseminado) ou apresentar uma camada de muco que se adere à corpos de insetos e outros artrópodos para se espalhar. O método mais comum de reprodução assexuada é por esporos que são produzidos em esporângios ou em células especializadas chamadas conidiogênicas (produzem conídios). Além disso, todos os fungos se reproduzem por fragmentação de hifas.


Quando o assunto é reprodução sexuada, existem 3 passos: a plasmogamia que é a união de protoplastos, a cariogamia que é a fusão de núcleos (pode não formar um único núcleo por muito tempo, formando um dicário, e a meiose que ocorre depois que os núcleos se fundem. A reprodução sexuada forma esporos especializados, tais como zigósporos, ascóporos e basidiósporos e os gametas se apresentam como isogametas e são produzidos pelo gametângio.


FILO CHYTRIDIOMYCOTA

Os fungos mais primitivos, apresentam um flagelo (aparentemente, permaneceu da sua evolução de protistas flagelados). Predominantemente aquáticos, mas habitam também solos de variados de beiras de represas e rios e, até mesmo, alguns desertos são habitados pelas conhecidas quitrídias. Quase sempre são cenocíticas, com células móveis (zoósporos e gametas), algumas podem ser unicelulares e não desenvolver micélio, outras tem rizóides finos, alguns são parasitas e, por fim, outros são sapróbios. Ocorre alternância de gerações, em alguns casos isomórficas e em outros heteromórfica (diferença entre a fase diploide e haploide).


FILO ZYGOMYCOTA

Vive no solo, sobre os restos de animais e vegetais, alguns são parasitas de plantas, insetos ou simbióticas (endomicorrizas). Maioria apresenta hifas cenocíticas abundantes e de crescimento rápido, enquanto que alguns podem ser levedura e unicelular. A reprodução assexuada ocorre por esporos haploides produzidos em esporângios especializados originados das hifas somáticas. Como característica exclusiva, há a produção de esporos de resistência chamados zigospóros (podem permanecer dormentes por tempos), que se desenvolvem no interior de zigosporângios.


FILO ASCOMYCOTA

Apresenta como característica exclusiva o asco, estrutura encontrada no interior de ascomas, no ápice da hifa dicariótica, que produz ascósporos. Os protoplastos dos gametângios femininos e masculinos se fundem, gametângio feminino forma uma hifa especializada dicariótica (cada célula com um par de núcleos háploides).


FILO BASIDIOMYCOTA

Muitos fungos macroscópicos conhecidos fazem parte desse filo, tais como os comestíveis. A reprodução ocorre por meio de basidiósporos que são produzidos por basídios que estão no ápice de uma hifa dicariótica. Os basídios sofrem meiose e produzem 4 basidiósporos.


Um dos fungos mais conhecidos são as leveduras, seres unicelulares que, na maioria das vezes, se reproduzem por brotamento (assexuadamente), são, em maioria, pertencentes ao filo Ascomycota, se reproduzindo sexuadamente por arcósporos. Além disso, existem os deuteromicetos que representam milhares de espécies cuja reprodução sexuada não é conhecida, sendo a maioria perfencente ao filo Ascomycota, mas existem os que pertencem ao filo dos basidiomicetos e zigomicetos.



Raven, P.H. Evert, R.F., Eichhorn, S.E. Biologia vegetal. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara



2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo