Célula animal e vegetal • Zoologia X Botânica

Atualizado: Jul 14

Oi biologuínhos, tudo bem? É carnaval, mas estamos aqui, como foi prometido, com nosso post da coluna Zoologia X Botânica, e hoje falaremos sobre célula vegetal e animal. Antes de começarmos a listar os aspectos da célula dos diferentes reinos precisamos defini-la: a célula é considerada a unidade básica de vida e é presente em todos os seres vivos. Quando reunidas, as células formam tecidos que, por sua vez, formam órgãos, sistemas e, por fim, o organismo em si.


Como nesse post falaremos do Reino Vegetal e do Reino Animal, temos que lembrar que as plantas e os animais são seres pluricelulares, ou seja, são formados por várias células, e eucariontes (células apresentam envoltório nuclear).


Bom, agora que definimos a célula e contextualizamos os Reinos no tema, falaremos mais especificadamente das partes de compõem essas unidades. Uma das primeiras coisas que precisamos falar sobre é: parede celular. Diferentemente dos animais, os vegetais apresentam a célula revestida por uma parede celular constituída de celulose, hemicelulose e pectinas, conferindo resistência mecânica à célula. Além disso, essa estrutura é permeável, ou seja, tem afinidade com a molécula de água. Então já temos um ponto que diferencia bem a célula dos dois Reinos, certo?!


Assim como a célula animal, a vegetal também apresenta membrana plasmática que é constituída da mesma forma: bicamada fosfolipídica com proteínas e carboidratos conjugados, estrutura que apresenta uma permeabilidade seletiva. Enquanto na célula vegetal a parte mais “externa” é a parede celular, na animal é a membrana plasmática. Esse fato garante uma maior proteção mecânica à célula vegetal, tendo em vista que basicamente são seres que não são capazes de se defender, por exemplo, fugindo de uma ameaça (ninguém viu uma planta correndo por aí, né?!).


A presença da parede celular torna a divisão nos dois tipos de células um pouco diferentes. Enquanto que na animal a citocinese (parte final da mitose na qual ocorre a divisão do citoplasma, formando as duas células separadas) ocorre por estrangulamento; na célula vegetal precisa haver um acúmulo de vesículas derivadas do Complexo de Golgi na região central da célula que, após a divisão, formará a membrana plasmática, na qual irão sendo formadas as camadas da parede celular, até que, por fim, as células se separam.


Agora falando sobre organelas, as primeiras a serem citadas são as comuns entre os Reinos Animal e Vegetal: mitocôndria, peroxissomo, ribossomo, complexo de Golgi e retículo endoplasmático rugoso. A mitocôndria basicamente tem a função de produzir energia para a célula através da respiração celular. Já o peroxissomo tem como a principal função a quebra de água oxigenada, composto que pode atuar causando danos em membranas da célula e ao DNA.


O ribossomo atua na síntese proteica, o complexo de golgi realiza a secreção das proteínas produzidas pelo retículo endoplasmático rugoso (estrutura que apresenta ribossomos anexados que, como já falamos, realizam a produção de proteínas).


Uma organela que podemos observar em células vegetais e não em células animais é o vacúolo: responsável pelo armazenamento de água e outras substâncias. Eles podem ocupar boa parte do espaço dentro das células. Outras a serem citadas são os plastídeos/plastos, organelas que realizam o acúmulo de substâncias, sendo o mais conhecido por nós o “cloroplasto” que, por sua vez, acumula clorofila (pigmento fotossintetizante). Podemos observar tudo que foi falado sobre as células vegetais nessa imagem:

Célula vegetal

Agora vamos focar nas diferenças que célula animal apresenta! Uma organela que é presente na célula animal, mas não são todas as células vegetais que possuem (briófitas e pteridófitas possuem, porém gimnospermas e angiospermas dificilmente tem), é o centríolo.


Essa organela não é revestida por membrana (igual a que reveste as células), portanto há quem a chame de organoide. Ela é feita por fibras e fica localizada próxima ao núcleo da célula. Sua função é auxiliar na divisão celular, orientando a disposição das fibras de fuso.


Em alguns organismos e tipos celulares, o centríolo pode ter como função também a formação de cílios e/ou flagelos. Apesar de algumas plantas não possuírem o centríolo, sua divisão celular ocorre normalmente. Na imagem abaixo podemos ver os centríolos de uma célula animal localizados na extremidade da célula cercados pelas fibras de fuso:

Centríolos atuando na divisão celular de uma célula animal

Outra diferença é qual a reserva energética dessas células. Já vimos que quem produz energia é a mitocôndria, mas as células também precisam guardar alguma substância de reserva pra caso precisem! No caso da célula animal, essa reserva é o glicogênio, armazenado principalmente pelas células do fígado (que são responsáveis por quebrar esse glicogênio e mandar energia para as outras células sempre que elas precisarem) e nas células dos músculos (para uso próprio delas). Já as células vegetais armazenam amido e este fica armazenado em plastos também.


Nessa imagem aqui podemos ver que, devido à ausência da parede celular rígida, a célula animal possui um formato bem diferente da vegetal:


Célula animal

Algo muito legal das células é que elas podem ser altamente especializadas. Em cada região diferente, elas formam tecidos especializados e desempenham uma função distinta, portanto, elas variam entre si dentro de um mesmo organismo. Um exemplo legal nos animais são as células musculares: elas possuem um nomezinho diferente das outras, que é miócito (mio = músculo; cito = célula), sendo alongadas, podem multinucleadas (com vários núcleos!) e são responsáveis pela contração muscular. Elas conseguem fazer a contração através das miofibrilas/miofilamentos que possuem. Há diferença até nas células de um musculo liso pra de musculo estriado! Nas células vegetais, há um exemplo de uma estrutura muito importante, contida nas células epidérmicas, chamada de estômato.


Essa estrutura é formada por células especializadas, formando uma abertura natural, um poro. Essa abertura é tem como principal função ajudar na regulação hídrica da planta, impedindo a perda de água excessiva em dias quentes, por exemplo, e também absorvendo água quando necessário.


Outro exemplo de especialização que há nos dois grupos é na formação das células reprodutivas: os gametas! Essas células são completamente diferentes das demais, pois não formam tecidos! Elas ocorrem nos tanto no Reino Animal quanto no Vegetal (há gameta feminino e masculino nas plantas também!), porém possuem algumas diferenças, mas a função continua sendo a mesma, que é a formação de um novo organismo daquela espécie. Elas são formadas por meiose (diferente das células que formam tecidos, que fazem mitose), e são haploides, o que significa que possuem a metade dos cromossomos que as outras células tem. Elas geralmente são produzidas em locais especiais também, num processo chamado gametogênese!


Esperamos que vocês estejam gostando dos posts da coluna. Esses conceitos sobre as respectivas células (tanto animal, quanto vegetal) serão utilizados e relembrados, então é bom dar uma atenção especial para o assunto, ok?! Nos vemos daqui 15 dias por aqui com mais um post da nossa coluna Zoologia X Botânica, até lá! <3


Barbara Mariah Chagas Teberga Estudante de Ciências Biológicas (Licenciatura) Colunista de Zoologia (ZOOLOGIA X BOTÂNICA)

Isabella Aparecida Fonseca Bertoleti Estudante de Ciências Biológicas (Licenciatura) Colunista de Botânica (ZOOLOGIA X BOTÂNICA)

0 visualização
Siga o Bertobio!
  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Instagram - White Circle

Nos encontre também no Instagram!

@biologiaparaavida
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco